Sexta, 03 de Dezembro de 2021
28°

Poucas nuvens

Riacho dos Cavalos - PB

Geral Pará

Alepa aprova projeto de lei que propõe um centro de capacitação para servidores públicos

O dispositivo legal prevê a criação da Escola Superior de Advocacia Pública (ESAP) e foi aprovado por deputados estaduais, nesta terça-feira (24)

24/11/2021 às 16h15
Por: Redação Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará

O procurador, Rafael Rolo, coord. do Centro de Estudos da PGE
O procurador, Rafael Rolo, coord. do Centro de Estudos da PGE - (Foto: Divulgação)
O projeto de lei complementar estadual, que vai criar a Escola Superior de Advocacia Pública (ESAP), foi aprovado nesta terça-feira (24), após votação na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). O centro de excelência se voltará à capacitação e treinamento de servidores públicos nas diversas matérias e questões de cunho jurídico, e será subordinado à Procuradoria-Geral do Estado (PGE). 

“A lei orgânica da PGE já vem sendo alterada desde 2019 no sentido de mudar algumas das atribuições do Centro de Estudos, de modo a lhe garantir a competência para promover cursos e eventos acadêmicos, bem como no sentido de lhe garantir meios de ofertar curso de pós-graduação lato sensu. A aprovação do PL (projeto de lei) se dá no contexto desse aprofundamento institucional, possibilitando a criação da ESAP, que deverá ter uma atuação mais direta na condição de Instituição de Ensino Superior, uma vez que tenhamos garantido a nossa certificação junto ao Conselho Estadual de Educação, obedecidos os requisitos formais”, explicou o procurador do Estado, Rafael Rolo, coordenador do Centro de Estudos da PGE (CE).

Ainda de acordo com o coordenador, a ESAP deve atender a todos os agentes públicos da Administração Direta e Indireta do Estado do Pará, bem como da advocacia pública dos municípios e à própria comunidade acadêmica, visando à produção e à divulgação de conhecimento jurídico, por meio do ensino, pesquisa e extensão no âmbito da advocacia pública.

“A atividade de docência será eventualmente realizada por procuradores do Estado ou professores da comunidade acadêmica, que atendam aos requisitos que deverão ser instituídos. Esses colaboradores irão ministrar treinamentos, cursos, aulas e afins, conferindo à ESAP o caráter acadêmico que desejamos”, explicou Rafael. 

A ESAP deve ofertar cursos, inclusive de pós-graduação, para o público interno e externo, com ou sem a concessão de bolsas, relacionados, em especial, à formação acadêmica e à atuação profissional de advogados públicos, além dos serviços e das funções que dão suporte a essa atuação. 

“Agora, com a aprovação do PL, o projeto segue para a Casa Civil e, em seguida, para a sanção ou veto do governador Helder Barbalho”, concluiu o coordenador.

Por Barbara Brilhante (PGE)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias